O que é representatividade e como ela pode ajudar os Informatas do Brasil


Compreender o que é representatividade é fundamental para alcançar objetivos tais conseguir melhores condições de trabalho, obter a tão sonhada justiça salarial, redução de carga tributária empresarial, e até mesmo acelerar a tramitação do projeto de lei para a Regulamentação do Informata bem como a constituição do nosso sonhado Conselho Federal de Informática.

A representatividade é termos alguém – pessoa, instituição, órgão (exemplo: Líder de movimento, Político, Sindicato, Associação, Conselho, etc) – que represente um grupo de pessoas para defender seus interesses, fazendo portanto com que este grupo de pessoas se torne representativo (tenha importância e valor) perante um outro alguém – pessoa, instituição ou órgão (exemplo: Político, Câmara, Senado, Associação, etc).

Ou seja, a representatividade é o canal pelo qual veiculamos a comunicação entre duas entidades, na qual no lado transmissor da ideia temos como entidade um representante de um grupo; no nosso caso os Informatas. Do outro lado temos o receptor, que é a entidade que queremos que receba nossa mensagem, que pode ser um político ou até mesmo o Senado Federal.

É muito difícil realizar esta ação de modo solitário. Sozinhos não temos representatividade. Entendamos esta representatividade como força, valor, importância política.

informata-palhaco

Daremos um exemplo claro. Imagine o João das Couves, Informata, que é Analista e tem por especialidade a área de Suporte Técnico. O João defende muito a ideia da união da classe trabalhista dos Informatas, vê como a sua profissão é desvalorizada, se espanta com os salários baixos praticados pelo mercado, foge de cursos de formação caríssimos porque seu salário não banca este luxo, fica perturbado com pessoas sem qualificação trabalhando na área de informática, detesta o acúmulo de funções porque até pedem para ele se meter em assuntos de banco de dados que nem é “sua praia”, é avesso aos altos impostos cobrados em produtos de informática, se sente desmotivado ao ver pessoas contrárias à união e à ordem, nem pensa em abrir empresa de Suporte pelo alto custo para manter empregados, que sonha com criar um produto tão inovador como os criados até então pelo sonho Norte Americano.

O João tem muitas ideias, conversa com muitos amigos, e decide por si mesmo fazer a diferença entrando em contato com outras entidades que possam ajudar a diminuir os problemas na área de informática.

O João manda uma carta para um líder de partido, mas o líder não responde. Depois o João manda um e-mail para um senador, e não tem resposta. Decide descer na hierarquia e manda um e-mail para um deputado, mas não tem resposta. João escreve para uma sociedade que supostamente defende melhoria no setor da informática, mas que na prática foi comprada por um grupo de empresários que tem interesse na continuidade do caos. João descobre que não há nada que possa fazer para mudar a sua realidade.

Passaram 20 anos, e nada parece mudar. O João já anda desmotivado e cético: ele não acredita que possa haver no Brasil uma mudança positiva e significativa em prol da Informática. Parece que todos os Informatas estão condenados a passar por dificuldades na vida laboral.

João vê nas notícias casos de paralisação de serviços de informação que não se comunicam de forma adequada, prejudicando a emissão de vistos para cidadãos brasileiros porque alguém teve a brilhante ideia de integrar sistemas da Polícia Federal com o Ministério de Relações Exteriores, sem NENHUM PLANEJAMENTO, sem testes, sem estudo sério.

João lembrou daquele outro incidente com o ENEM, em que o portal ficou fora do ar e os estudantes não conseguiam fazer sua inscrição. O site dizia, equivocadamente, que o prazo de inscrição estava “encerrado”.

João viu o quanto a privacidade de certas informações como dados de cartão de crédito são sucetíveis a roubo, pelo fato de servidores de banco de dados estarem expostos na internet a toda sorte de ataque. Lembrou de um amigo seu, que depois que voltou de viagem, viu uma compra (que desconhecia) feita com seu cartão de crédito. Lembrou também de uma amiga cujo CPF foi utilizado para abrir uma Sapataria, que estava devendo “Deus e o Mundo”, fazendo com que o nome de sua amiga ficasse sujo no Serasa.

João viu o quanto é importante ter segurança nas informações em todas as áreas críticas do país, como dados médicos corretos, bolsa de valores, sistema bancário, finaceiras e agências de crédito. João imaginou o caos que seria se tudo continuasse como está, sem regras, sem leis, sem regulamentação.

Mas o que João pode fazer sozinho? Mesmo ele com seu grupo de amigos reunem pessoas que tampouco tem representatividade. Nenhuma pessoa nesse grupo é um político, nenhuma pessoa nesse grupo representa uma instituição que tenha importância. Como alcançar a representatividade?

João viu notícias sobre o caso dos Físicos, que trabalham pela regulamentação e identificou que eles foram recebidos de braços abertos por um Senador. Essas pessoas recebidas pelo Senador não eram do tipo “João Ninguém”: cada uma tinha uma importância e representavam algo, um sindicato, uma associação, um grupo. João viu o Senador receber presidente da associação tal, presidente do sindicato tal, etc. E aí ele entendeu que para continuar com o movimento da forma eficaz é preciso ter representatividade.

É numa entidade representativa que João terá um agente de mudança. É essa entidade que irá representar os informatas, dando-lhes o devido valor através de uma pessoa que possa representar o grupo e defender seus interesses junto à esfera política. É certo que existem entidades que são simpáticas à regulamentação do Informata, mas não vemos engajamento, busca ou procura destas entidades nos grupos e nas redes sociais de forma que comecem a marcar reuniões com membros da esfera política. As entidades simpáticas infelizmente parecem passivas, e não demonstram grande interesse ou motivação para a mudança. Talvez porque os políticos atuais não favoreçam o florecer da regulamentação, e aguardam uma renovação de políticos para que possam tentar uma mudança real.

confei-defensor

João sabe que se quiser representatividade é preciso que ao menos haja um órgão que defenda os profissionais da área, num patamar muito mais alto que um sindicato. É preciso uma Agência, um Superintendência, um Conselho.

Através de uma instituição sólida, João como membro poderá ter um canal de comunicação direto com os representantes que irão ouvi-lo a fim de discutir as questões mais críticas que afetam o setor de Informática. O Conselho por sua vez tem força e representatividade, tem poder para conseguir reuniões com membros da esfera política que estarão mais receptivos e dispostos a colaborar com projetos de lei que realmente interessam aos Informatas do Brasil.

Agora o que o João faz é conscientizar os amigos da importância da formação de uma organização que possa representa-los de modo mais pró-ativo. João entende que mudanças radicais são difíceis, e dar um passo de cada vez é fundamental para o sucesso. Então, junto com os amigos, João divulga o movimento pela Regulamentação do Informata, para que ao menos com esta vitória, seja possível atingir o próximo objetivo que é a instituição do Conselho Federal de Informática do Brasil. E com uma representatividade tão forte como um Conselho todos os informatas contarão com apoio para melhoria qualidade da Informática no Brasil, valorização profissional, reconhecimento, definição clara de atribuições para determinados cargos, e inúmeros projetos de lei de interesse que permitam a todos crescerem e competirem a nível internacional com soluções de SI e TI realmente inovadoras.

João acredita na mudança e pede para que você faça parte dela.


Não está convencido(a) sobre o poder da representatividade?

Então confira os artigos abaixo sobre o Conselho Federal de Engenharia:

CONFEA pede apoio do senador, José Agripino, no Congresso Nacional

http://www.blogdocapote.com/site/index.php?pagina=92

O senador, José Agripino, recebeu nesta terça-feira (7), em Brasília, a visita do novo presidente nacional do CONFEA- Conselho Federal de Engenharia e Agronomia, José Tadeu da Silva. O engenheiro civil, eleito para comandar a instituição até dezembro de 2014, pediu ao parlamentar apoio aos projetos de interesse do Conselho que tramitam no Congresso Nacional. 

“Esta semana começamos uma série de visitas aos senadores e deputados. É oportuno iniciar esse trabalho pelo gabinete de um senador cuja formação profissional é engenharia civil. Certamente, ele terá uma visão diferenciada para lutar pelos nossos pleitos”, argumentou Tadeu. 

De acordo com Tadeu, a atual gestão tem como prioridade fortalecer a engenharia brasileira e ampliar a participação de profissionais do setor no cotidiano de políticas públicas em todas as regiões do país.

Na ocasião, foi entregue ao senador um documento com os principais temas de interesse do CONFEA no legislativo nacional. 

Agripino aproveitou o encontro para confirmar presença na posse do novo presidente do Conselho que será realizada às 18h do dia 14 de março no auditório Petrônio Portela, no Senado Federal. 


Ainda não está convencido(a)?

Minuta de projeto de lei visa investimento em capacitação profissional

http://www.confea.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=15367&sid=10

Uma minuta de projeto de lei , elaborada pelo Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), sugere a alteração da redação do parágrafo único do art. 36 da Lei nº 5.194, que diz: “Os Conselhos Regionais poderão destinar parte de sua renda líquida, proveniente da arrecadação das multas, a medidas que objetivem o aperfeiçoamento técnico e cultural do Engenheiro, do Arquiteto e do Engenheiro-Agrônomo”. A ideia do PL é retirar o termo “proveniente da arrecadação das multas”, para que os recursos a serem investidos no profissional não se limitem apenas àqueles advindos das multas.

“Assim poderão ser utilizados recursos de anuidades, ARTs, e outros. A alteração é simples e é um investimento para o próprio profissional que paga a anuidade.”, defende José Tadeu da Silva, presidente do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia – Confea.

About these ads

Marcado:, , , , ,

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 138 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: